Cerca de 30 integrantes de uma facção organizada do Fluminense  invadiram o treino da equipe na tarde desta terça-feira, nas Laranjeiras. A atividade mal havia começado quando os “torcedores” entraram no gramado e partiram para cima dos jogadores. Na confusão, Diguinho levou um soco no estômago. 

O volante teria sido agredido por ter respondido de forma pouco elegante a uma pergunta do chefe da facção, que indagou por que Diguinho estava indo sempre a uma boate conhecida da Zona Sul

 – Pô, chega de Baronetti, né? Todo dia lá é f… – disse o agressor.

 

 – Ah, não enche. O dinheiro é meu ou seu? – teria respondido o jogador.

 

Antes que a situação piorasse, seguranças deram dois tiros para o alto. Para ajudar a manter a ordem, dez policiais militares foram chamados. Após a confusão ser contornada, os jogadores voltaram a treinar, entre eles Diguinho. O coordenador de futebol do clube, Alexandre Farias, e o vice-presidente de futebol, Tote Menezes, tiveram que dar satisfações para os integrantes da facção, que estenderam uma faixa com a frase: “O time não merece a torcida que tem”.

 

A diretoria soube pela internet que o protesto ia acontecer. Por isso a segurança no clube foi reforçada. Tanto que o homem que atirou não estava identificado com a camisa do Fluminense. Ele foi contratado para trabalhar apenas nesta terça-feira.dig

Anúncios