guerra_globo_recordComo parte dos esforços para atacar a Globo, a Record fez uma aquisição poderosa: comprou o documentário “Muito Além do Cidadão Kane” (“Beyond Citizen Kane”). A emissora fechou o negócio nesta semana, mas já havia tentado adquirir os direitos de exibição para TV brasileira nos anos 90. O material custou menos de US$ 20 mil para a emissora do bispo Edir Macedo.

Desde a semana passada, quando Globo e Record começaram a se atracar em rede nacional, o nome da produção voltou à baila. No entanto, quase tudo o que se diz sobre ela –de sua suposta proibição à autoria do trabalho– é equivocado.

Transmitido pela primeira vez em 1993, no Reino Unido, “Muito Além…” mostra o empresário Roberto Marinho (1904-2003) como ícone da concentração da mídia no Brasil –daí a referência a Charles Foster Kane, magnata das comunicações vivido pelo cineasta Orson Welles em “Cidadão Kane” (1941).

Mesmo legendado de forma capenga, o documentário se transformou num “hit” no país antes da internet ser o que é hoje –ou seja, circulava em VHS. Custou cerca de US$ 260 mil [R$ 445 mil] à extinta empresa Large Door, na qual Hartog e Ellis eram sócios.

A produtora independente fez o longa para o canal britânico Channel 4, responsável por sua transmissão (a BBC nunca teve qualquer ligação com a produção, diferentemente do que a própria Record insiste em divulgar). Curiosidade: uma das maiores audiências do Channel 4 é o “Big Brother”, também carro-chefe da Globo.

Site da Igreja Universal do Reino de Deus destaca o filme "Muito Além do Cidadão Kane" em sua página principal

Site da Igreja Universal do Reino de Deus destaca o filme "Muito Além do Cidadão Kane" em sua página principal